O que você precisa saber sobre a cena de sexo gay em “Liberdade, Liberdade”

Cena de Sexo Gay em Liberdade, Liberdade vai quebrar novas barreiras da tv aberta

Parece que não é só no gênero de terror que a Globo está querendo quebrar barreiras e revolucionar o mundo das séries nacionais. Hoje vai ao ar a tão esperada cena de sexo gay em “Liberdade, Liberdade”.

Não somos muito fãs da expressão “sexo gay”, porque sexo é sexo, mas nesse caso, como é uma quebra de paradigma gigante na televisão aberta brasileira, achei importante frisar no título do que se trata. Ficamos felizes com a decisão da Rede Globo em permitir que isso aconteça, de maneira tão respeitosa quanto vem sendo tratada.

Posicionamento do diretor da trama

André, interpretado por Caio Blat, e Tolentino, interpretado por Ricardo Pereira, serão protagonistas da sequência que promete incendiar a Rede Globo, às 23h de hoje, dia 12/07/2016. Já podemos imaginar a quantidade de reclamações da tradicional família brasileira que vai surgir na nossa timeline amanhã, não é mesmo?

Em entrevista ao GShow, o diretor artístico, Vinícius Coimbra, disse que a cena será linda e cheia de romantismo.

a história de duas pessoas que têm sentimentos, mas não podem vivê-los. São dois homens solitários, que vivem seus próprios – e diferentes – conflitos.

No site você também tem acesso a detalhes da trama do episódio:

Tudo começa quando Tolentino, abalado pela fuga de Ascensão (Zezé Polessa) da cadeia e pelas diversas humilhações que vem sofrendo de Rubião (Mateus Solano), está em seu quarto e recebe a visita de André.

O fidalgo se preocupa com Tolentino, que fica feliz e emocionado com o carinho do amigo.

Tenho um só amigo. Você, André. Que é sensível. Consegue entender os mistérios da vida’, diz o coronel, docemente.

Inclusive as surpresas sobre nós mesmos?’, responde André.

Em um singelo momento de total cumplicidade e intimidade, os dois deixam para trás as dúvidas e temores e se entregam ao forte amor que sentem um pelo outro.

Vinícius também falou à Veja e disse ter ficado feliz com a possibilidade de tratar desse tema na tv aberta.

Estou muito feliz por ter feito essa cena e pelo fato de a Globo bancar isso, não só essa temática da homossexualidade, mas voltar a abordar a questão do negro, da violência contra a mulher, vários casos horrorosos, e isso vem num ótimo momento, em que a intolerância tem se mostrado tão nociva

Em tempos de ódio e de assassinato contra o público LGBT é importante que canais de televisão comecem a tratar os homossexuais com normalidade e comecem a encarar como pessoas. Que parem de manter preconceitos e tratar crimes de ódio como simples assassinatos. Não queremos “orar” por outros lugares como Orlando. Queremos que todos sejam tratados com respeito e igualdade e que seus direitos sejam discutidos e suas conquistas, respeitadas.

Posts relacionados: